26°C 17°C

São Paulo, SP

26°C 14°C

Curitiba, PR

29°C 21°C

Belo Horizonte, MG

32°C 22°C

Rio de Janeiro, RJ

30°C 20°C

Porto Alegre, RS

30°C 24°C

Salvador, BA

Quinta-feira, 28 de Março de 2019 - 11h48

Mito ou verdade: emendar a pílula anticoncepcional faz mal?

Bruna Oliveira

Uma das alternativas para interromper a menstruação é o uso contínuo da pílula anticoncepcional, emendando as cartelas da medicação. A opção, no entanto, ainda gera dúvidas sobre eventuais malefícios à saúde da mulher.



A ginecologista do Hospital Edmundo Vasconcelos, Maria Luisa Mendes Nazar, esclarece os principais pontos sobre o tema:

 



1. Emendar a cartela faz mal à saúde da mulher?

A ginecologista tranquiliza sobre o hábito e conta que optar por emendar a cartela não traz riscos à saúde. “O corpo vai receber a quantidade fixa de hormônio da medicação, que geralmente é composto por estrogênio e progesterona, e assim, não estimula o crescimento do tecido do útero e consequentemente não há menstruação. Esse processo não interfere na saúde”, conclui.

 



2. Há um limite de cartelas que possam ser emendadas?

Não, o que pode interferir é a adaptação de cada mulher à dose hormonal da medicação. Segundo a médica, o aconselhável é que sejam observados os efeitos durante três meses. Caso neste período ocorram pequenos sangramentos, é importante consultar o médico para a troca da pílula com uma dose hormonal maior.

 



3. Quando ocorre o escape é preciso interromper a pílula?

Em casos em que o uso já ultrapassou os três meses de adaptação, quando há o escape é indicado realizar a pausa de quatro a sete dias e retornar com a mesma medicação, sem problema algum, recomenda Maria Luisa Mendes Nazar.

 



4. Por que acontece o escape mesmo não interrompendo o uso?
A dosagem pode não impedir por completo o crescimento do tecido do útero, ocorrendo pequenos sangramentos. A médica enfatiza, porém, que esses escapes não são sinais de ineficácia contra a gravidez.

 



5. Essa opção é contraindicada para alguma mulher?

A contraindicação não é diretamente sobre o uso contínuo, mas sobre a composição da pílula. Segundo a especialista, mulheres com problemas circulatórios, cardíacos e com histórico de enxaqueca devem evitar o uso de estrogênio. Maria esclarece que para esses casos, há opção de pílulas somente com progesterona. 



publicidade:

publicidade:

publicidade: