26°C 17°C

São Paulo, SP

26°C 14°C

Curitiba, PR

29°C 21°C

Belo Horizonte, MG

32°C 22°C

Rio de Janeiro, RJ

30°C 20°C

Porto Alegre, RS

30°C 24°C

Salvador, BA

Terça-feira, 02 de Abril de 2019 - 16h37

Poker está ganhando cada vez mais popularidade no Brasil

Bruna Oliveira

Desde então, o esporte cresceu e hoje conta com uma enorme estrutura. No Brasil, a prática vem crescendo e ganhando força, principalmente, após os ótimos resultados de alguns brasileiros em torneios internacionais. Os três atletas de maior destaque são:

 

 

1 - Felipe Mojave

Felipe foi o jogador que mais participou do circuito mundial, disputando torneios com buy-in (quantia que um jogador deve pagar pra entrar no jogo) superior a US$ 100 mil e ficando em quinto lugar no evento do Caribbean Poker Party, em Punta Cana, 2017.

 

 

2 - André Akkari

André conquistou a incrível marca de US$ 2 milhões em prêmios ao vivo, além de seu primeiro título em um evento da BSOP (uma série de torneios de Poker realizada no Brasil desde 2006) e o quinto lugar no PokerStars Championship em Barcelona, 2017.

 

 

3 - Rafael Moraes

Rafael conquistou o 11º no PokerStars Championship Panamá, venceu o Super High Roller da WSOP Brazil e a mesa final do Bellagio Cup, valendo US$ 10.400.

 

 

A prática do Poker como ferramenta para evolução da mente

O Poker é um esporte que utiliza muito o raciocínio matemático, financeiro, analítico e observador. Talvez por isso, ganhe cada vez mais adeptos. Algumas lições do jogo podem e devem ser aplicadas na vida. Dentre elas estão:

 

 

Inteligência financeira: assim como na Bolsa de Valores, onde a queda no valor das ações de uma empresa prejudica o bolso do investidor, o Poker tem seus dias de baixas. É preciso inteligência para entender que o fator aleatório existe e que algumas surpresas podem surgir. Nesse momento, o jogador deve manter a racionalidade e analisar se continua investindo (jogando) ou aguarda por mais um dia de "alta na bolsa".

 

 

Análise de pessoas: numa mesa de Poker, acontecem diversas jogadas "não faladas" - os famosos blefes (aposta ou aumento em posse de uma mão fraca ou nula, na esperança de que os jogadores ativos remanescentes corram do jogo) e as diversas tentativas de induzir o oponente ao erro, seja fingindo estar com um bom jogo ou com uma mão ruim ou tentando não expressar nenhum tipo de emoção. Essa é uma boa forma de conhecer mais sobre a nossa linguagem corporal e, com o tempo, ter a capacidade de analisar pessoas que estejam mentindo ou tentando manipular.

 

 

Aprender a perder: no jogo de Poker, não é raro que em alguns dias você mais perca do que ganhe. Mas como em tudo na vida, é preciso aprender a lidar com a dinâmica do jogo. Os dias de vitória existem e é possível que compensem os dias não tão bem-sucedidos.

 

 

Fonte: Clube Santa Mônica



publicidade:

publicidade:

publicidade: