26°C 17°C

São Paulo, SP

26°C 14°C

Curitiba, PR

29°C 21°C

Belo Horizonte, MG

32°C 22°C

Rio de Janeiro, RJ

30°C 20°C

Porto Alegre, RS

30°C 24°C

Salvador, BA

Terça-feira, 09 de Abril de 2019 - 09h30

Menopausa pode deixar o cabelo mais fino e sem brilho

Bruna Oliveira

Por conta da queda nos níveis dos hormônios femininos na menopausa, a densidade capilar pode sofrer uma redução de 20%, afetando a quantidade dos fios. Além disso, eles ficam mais finos, fracos e susceptíveis à queda. Mas hoje já é possível tratar o problema no consultório médico e em casa.

 

 

Mesmo naturais, as mudanças hormonais que ocorrem durante a menopausa são capazes de alterar muitos aspectos da aparência, como a saúde da pele e dos cabelos. “A menopausa gera um grande impacto nos cabelos, tanto na sua quantidade, quanto em sua qualidade. Os fios tornam- se mais finos, mais ásperos e sem brilho enquanto a densidade capilar sofre uma diminuição. Há uma redução de 20%, segundo estudo realizado com a população chinesa em 2015”, afirma a dermatologista e tricologista Dra. Kédima Nassif, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da Associação Brasileira de Restauração Capilar. Além disso, é comum nessa fase a canície, ou seja, o embranquecimento dos fios, que atinge, segundo estudos, 50% do total de cabelos de metade da população na faixa etária dos 50 anos.

 


A queda hormonal, principalmente do hormônio estrógeno, é a grande culpada por tais mudanças, além do envelhecimento celular natural. “Na menopausa, as células da raiz do pelo reduzem sua taxa de multiplicação, resultando em menor quantidade de células compondo o cabelo (ou seja, fio mais fino) e no encurtamento da fase de crescimento capilar. Além disso, algumas raízes capilares param de produzir a haste capilar, gerando uma redução de 20% no total de fios no couro cabeludo”, destaca a tricologista.

 


Como há essa queda nos níveis dos hormônios femininos, os hormônios masculinos (andrógenos) tornam-se mais dominantes. “Em mulheres geneticamente suscetíveis, os folículos capilares podem se tornar sensíveis a uma forma de testosterona chamada di-hidrotestosterona (DHT), e os níveis de uma enzima chamada 5-alfa-redutase podem aumentar. O problema é que isso pode propiciar (ou piorar) a queda capilar, já que os cabelos sofrerão um processo de afinamento progressivo e rarefação”, explica a médica.

 


Tratamentos 

A primeira etapa de um tratamento capilar é sempre a procura de um especialista: dermatologista ou tricologista. “Mas temos que ter em mente que, como o envelhecimento capilar é um processo contínuo e irreversível, o tratamento usa de estratégias para minimizar seu efeito, de modo semelhante ao que é feito com o envelhecimento da pele”, diz a médica.

 


No caso da melhora da qualidade dos fios, a Dra. Kédima lembra que, para melhorar a textura dos fios, é indicada a reposição dos nutrientes perdidos nos fios de cabelo abusando da umectação com óleos vegetais como os de coco e argan e nutrição capilar com boas máscaras e terapia capilar. “O uso de tinturas ricas em agentes condicionantes e com menor percentual de amônia e intervalos maiores nos processos de descoloração são boas estratégias para reduzir o impacto das químicas nessas hastes fragilizadas”, afirma.

 


Para promover o engrossamento dos fios, aumentar a densidade capilar e auxiliar no crescimento, os tratamentos incluem loções de uso domiciliar (como minoxidil e outras substâncias) e tratamentos com substâncias injetadas no couro cabeludo que promovem a ativação da raiz dos cabelos, método que será indicado por seu dermatologista, de acordo com as indicações e contraindicações do seu caso. “Um novo aliado no combate ao problema, muito falado no último congresso americano de pesquisa em cabelos, é o uso da LLLT – Low Light Level Therapy (Terapia de Luz com Baixa Potência) que é o uso de lasers e LEDs para espessar os fios, aumentar a quantidade de cabelos e prolongar a fase de crescimento dos fios”, acrescenta.

 


O boné Capellux e o capacete Capellux i9 são dois dispositivos que utilizam a tecnologia LLLT e podem ser usados em casa para o tratamento de queda capilar e do afinamento dos fios. Os equipamentos emitem a luz vermelha, que fornece energia para as células – o que colabora diretamente para a nutrição e saúde dos folículos, estimulando o crescimento dos fios.

 

 

“O Capellux é um dos dispositivos de LED que se enquadram nessa tendência do tratamento pelas luzes e lasers de baixa energia. O efeito esperado é de engrossamento e aumento do número de fios no couro cabeludo, além de ser um auxílio na penetração das loções prescritas pelo dermatologista”, afirma a Dra. Kédima Nassif. “Através de suas fontes de LED (um tipo de luz), o Capellux aumenta o fluxo de sangue na raiz capilar e a taxa de divisão celular nas células formadoras do cabelo, revertendo as consequências da queda hormonal sobre os cabelos.

 

 

A tecnologia é um excelente adjuvante no tratamento do envelhecimento capilar e, também, da calvície”, afirma a médica. Quanto ao modo de uso, o boné Capellux deve ser usado diariamente por 12 minutos, enquanto o capacete Capellux i9 tem uso diário de sete minutos.

 


Além disso, a médica também lembra das vitaminas orais como Exsynutriment, Bio-Arct, Biotina e Vitamina C, que juntos podem ser usados para melhorar a ancoragem e sustentação dos fios, que se tornam mais grossos e resistentes.

 



publicidade:

publicidade:

publicidade: